Sábado, 30 de Abril de 2011

A sindrome da barrigada de queijo

Os economistas e os políticos têm um problema grave de memória - no caso, de memória histórica. Desde pequeninos que comeram muito queijo. Sofrem da síndrome dessas barrigadas de queijo.

 

Por isso reagem, zangados, quando se vem a terreiro com a mania da história. Coisas do baú, velharias - e dão, sempre, uma boa gargalhada de desprezo.

 

Vem isto a propósito da crise da dívida soberana, esta surpresa que surgiu na cauda da Grande Recessão de 2008 e 2009.

 

Ao fim e ao cabo, não seria surpresa nenhuma se os decisores tivessem ligado ao que Kenneth Rogoff - um dos académicos do Clube das Cassandras, a que já me referi - e Carmen Reinhart divulgaram estudando centenas de anos de loucuras financeiras.

 

O que é que dizem os padrões da história?

 

Na cauda das grandes crises financeiras e das grandes recessões irrompem as crises de dívida soberana nos elos mais fracos. E batem à porte de todos.

 

«Isso é impossível em países desenvolvidos. Ainda para mais numa zona monetária», logo reagiram os desmemoriados, ofendidos com tal hipótese. O coro destes desmemoriados durou enquanto a realidade não lhes ruiu as convicções.

 

A Islândia era um paraíso gelado - e de um momento para o outro ficou à beira da bancarrota. Depois o paradísiaco Dubai - o médio oriente dos VIPs.

 

Bom, a Grécia, enfim, nunca foi um "milagre". A não ser no sol, nas ilhas, na cor dos mares, na música, no partir dos pratos - ah, e, no facto, de ter sido o berço da nossa civilização.

 

Mas eis que a pessonha ataca o modelo dos modelos dos desmemoriados, a Irlanda.

 

Aí os desmemoriados começaram a vacilar - mas, enfim, é parte de uma ilha, pouca coisa.

 

Bateu, depois, à porta aqui do nosso burgo - mas nunca fomos nenhum milagre económico e somos, apenas, uma franja na ponta mais ocidental.

 

Os desmemoriados rezam, agora, para que a cauda não bata em alguns países mais avantajados.

 

Entretanto, apesar de começarem a estar possuídos de dúvidas, continuam sem ler o Rogoff e a Reinhart. Espanha, Portugal, Grécia, Alemanha fazem parte da galeria de exemplos do passado. Uma maçada.

,

Valia a pena lerem, já agora. Aqui fica o título: "This Time is Different".

 

Uma entrevitsa com Carmen Reinhart pode ser lida em: http://janelanaweb.com/novidades/%E2%80%9Cbancarrota-e-possivel-em-paises-ricos%E2%80%9D-carmen-reinhart/

publicado por jnrodrigues às 23:46
link do post | comentar

.Autores

.Nossos blogues

Era uma vez na América
Janela na Web
O Diplomata
Estado Sentido

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Agradecimento à organizaç...

. “Political Leadership and...

. “Global Governance”

. "Human Security"

. “Global Dialogue – Global...

. Lord Giddens: O futuro da...

. As Conferências do Estori...

. Um sucesso visto à distân...

. Conferências do Estoril c...

. ElBaradei relembra as dif...

.subscrever feeds